Venho trabalhado em Fintech e produto nos últimos 11 anos desde FX até soluções de finanças pessoais (PFM), colaborando com bancos top tier no mundo inteiro e posso confirmar que descobri um país que estava no TOP da minha lista quando penso em oportunidade + inovação financeira: Brasil. Mas o que tem de diferente dos demais lugares no mundo?

  • População jovem e com níveis de adoção tecnológica e internet elevados.
  • Sistema bancário sólido, bem estruturado tecnologicamente, mas concentrado em poucos jogadores.

Então na metade do caminho achei Pablo Viguera e Oriol Tintore, dois sonhadores igual a mim  com os quais compartilho essa mesma visão: os Brasileiros e Latino-americanos precisam de inovadores trabalhando em Fintechs pra mudar as regras de jogo e aproveitar a propensão da sociedade a fazer as coisas de um jeito diferente, digital mais simples e mais justo.

Mas como uma galera de (atualmente) 40 sonhadores poderia ter impacto nessa mudança? A resposta era clara: vamos abrir as portas dos serviços financeiros atuais, onde mais visionários como nós possam participar dessa revolução. E chegou o movimento de Open Finance no momento certo, no lugar idôneo.

E por que o lugar idôneo é no Brasil, se Open Banking chegou antes na Europa? A Europa vem se aproveitando cada vez mais da concorrência financeira com a introdução do mercado único e o famoso "Passaporte Regulatório europeu" funcionando desde 2011. Uma Fintech de Londres pode oferecer seus serviços na Espanha e com isso surgiram grandes jogadores como Revolut, quebrando o mercado financeiro em todos os sentidos o que favoreceu reduções de juros e demais taxas financeiras como também criou produtos mais adaptados às necessidades da população. Em resumo, uma população já bancarizada e com as necessidades bem cobertas a um custo um pouco mais justo...

Mas no Brasil, mercado único, as taxas financeiras seguem altas, o setor bancário segue concentrado e precisamos promover a criação de novos concorrentes bancários com novos produtos e serviços adaptados às necessidades atuais da população brasileira.  Por essa razão, Open Finance é peça fundamental nessa mudança, e a Belvo chegou com ela.

Nestes últimos 6 meses desde que Belvo chegou no Brasil, temos trabalhado como gostamos, rodeados pelas melhores fintechs e startups brasileiras, como a Mobills, aplicativo líder em gestão de finanças pessoais com mais de 8 milhões de downloads. Entendemos bem as necessidades dos usuários finais e criamos uma proposta de valor única no mercado, e hoje tenho o prazer de anunciar o go-live de nossa V1.0, primeira de muitas pois temos um roadmap cheio de novidades.

Quais novidades trazemos com este primeiro lançamento? A melhor cobertura de informações bancárias (pessoa física) para os principais bancos do país: Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa e Santander. Baseado 100% na tecnologia proprietária da Belvo que já está sendo usada por dezenas de fintechs no México e Colômbia. E não paramos aí. Continuamos adicionando novos bancos e estamos habilitando nossa beta para acesso a dados bancários (pessoa jurídica), Economia compartilhada (com Uber e Rappi), Fiscal (via SEFAZ) e nosso último avanço tecnológico com a solução de Enrichment com categorização (melhorando a qualidade dos dados acessados) e verificação de renda, para facilitar que muitos brasileiros possam obter melhor crédito e melhores taxas. Tudo isso apoiado pela experiência de nosso time de experts em integrações, segurança dos dados, infraestrutura, machine learning, UX e nossos investidores que compartilham o mesmo espírito independente e pro-inovação.  Fornecendo a melhor e mais segura plataforma de Open Finance do Brasil, tudo isso em uma única API.

Este é o primeiro capítulo de muitos então fiquem atentos as nossas novidades que chegarão em breve.